imagens anúncios criadores
sites
 
CLASSIFICADOS
   Ver Anúncios
   Ver Anúncios-Pro
FORMULÁRIOS
   Inserir Anúncio
   Inserir Anúncio-Pro
   Inscrição de Criador
   Recomendar Site
   Contacto
GUIAS
   Exposições / Eventos
   Resultados / Fotos
   Clubes / Associações
   Criadores
   Tabela de Anilhas
   Feiras Locais
   Guia de Sites
   Parques Ornitológicos
   Endereços Úteis / SOS
   Espécies de Portugal
   Classific. das Aves
   Birdwatching
ARTIGOS
   Notícias
   Standards
   Artigos de Criadores
   Espécies
   Sexagem DNA
AS AVES
   Prólogo
   Introdução
   Anatomia: esqueleto
   Anatomia: bicos
   Anatomia: pegadas
   Anatomia: penas
   Criação
   Macho ou Fêmea?
   Alimentação
   Cuidados
   Doenças
   Os Ninhos
   Observação
   Aves de Capoeira
   Tropicais
   Fósseis
   Extintas
COLUMBÓFILIA
   Introdução
   Evolução
   Aves de Guerra
   Nas Escolas
   Eventos em destaque
DEFINIÇÕES
   Dicionário: Orni
   Ornitologia
   Avicultura
   Columbofilia
   Estrutiocultura
LEGISLAÇÃO
   CITES
   Direitos dos Animais
   Convenção Europeia
   Decreto-Lei 140/99
   Decreto-Lei 49/2005
   Portaria 7/2010
MULTIMÉDIA
   Revistas
   Telemóveis
   Animações 3D
   Sons
   Vídeos
   Downloads
DIVERSOS
   É Viciado em Aves?
   Filatelia
   Extremos
   Curiosidades
   Provérbios
   Humor
INFANTIL
   Jogo do Galo
   Puzzle
   Bico de Papel
PRODUTOS
   Livros
   DVD's
   Software / Outros
AVESPT.COM
   Links
   Sobre...
   Publicidade
   Cartaz
   Nosso Link / Banner
   Como utilizar
   Bibliografia
 
 
Facebook

 
SPEA

















 
CARTAZ AVESPT.COM







 
  conteúdos/as_aves/anatomia:pégadas  

PÉS E PEGADAS


       Os pés das aves são extremamente variáveis em forma e tamanho, o que é um reflexo dos respectivos hábitos de vida. Embora os seus antepassados répteis tivessem cinco dedos, a maior parte das aves tem apenas quatro ou três e o avestruz dois. As aves que raramente vêm a terra, como os pufinos e os andorinhões, possuem pernas tão frágeis que para elas a marcha, além de difícil, pode mesmo ser impossível.



Pés para poleiro

As aves que se empoleiram - um grupo que inclui mais de metade de todas as espécies existentes - têm todas um dedo posterior. Este dedo permite à ave agarrar-se solidamente aos troncos onde se empoleira.


Pés para todos os fins

Tal como os tordos e as alvéolas, os corvos são aves de poleiro, embora estejam entre os membros mais corpulentos deste grupo. Os pés dos corvos são como os das aves de poleiro mais pequenas, mas em versão aumentada, e possuem um grande dedo posterior.


Garras para trepar

Os pés dos pica-paus têm dois dedos para a frente e dois para trás. Esta disposição, que é invulgar mas não única, no mundo das aves, ajuda-os a segurar-se enquanto picam a madeira.


Utilização diferente

As aves de rapina abrem muito os dedos para agarrar a presa, enquanto aves como o corvo apertam os dedos uns contra os outros.


Aves de rapina

Os pés das aves de rapina estão equipados com garras e tão bem adaptados a segurar as presas que as aves têm dificuldade em andar. Muitas delas têm tarsos revestidos de penas que terminam abaixo da articulação do tornozelo.


Voando com carga

A lendária força das garras da águia permite-lhe transportar pesos grandes debaixo do corpo e longe das asas.


Garras com penas

As penas que revestem as pernas e os pés da maior parte dos mochos ajudam a mortecer o som quando eles se abatem sobre uma presa. O mocho-das-neves, que vive nas terras do Ártico, tem os pés cobertos por uma camada especialmente espessa de penas que lhe conserva os dedos quentes e flexíveis.


Pernaltas

O peso das aves pernaltas como os maçaricos e os borrelhos distribui-se por dedos alongados para evitar que os animais se afundem no lodo mole. Muitas espécies têm pernas excepcionalmente compridas, para caminhar em águas fundas.


Os dedos da Galinha-d'água

A galinha-d'água, ao contrário do que é vulgar, tem «orlas duplas» de pele escamosa que se expandem de cada um dos ossos dos dedos. Quando a galinha-d'água nada, estas «expansões» abrem-se e quando o pé se movimenta para trás contribuem para a propulsão, fechando-se quando o pé se movimenta para a frente. Em terra estas «orlas» evitam o afundamento na lama. A forma do pé desta ave dá origem a pegadas fáceis de distinguir das de outras aves aquáticas.


Pés com palmuras

Os patos, gansos e cisnes, gaivotas e muitas aves aquáticas possuem membranas interdigitais para uma natação eficaz. Os petréis ou calca-mares quase conseguem «andar» sobre a água agitando as patas, como se corressem, e batendo as asas ao mesmo tempo. Outras aves aquáticas utilizam os pés como travões.


As pernas da ave

Nos seres humanos os músculos que fazem mover as pernas estão distribuídos ao longo dos membros. Nas aves, quase todos os músculos se situam na parte superior da perna: a própria perna é pouco mais do que um osso rodeado por um sistema tipo roldana de tendões completamente recobertos por pele escamosa. Isto explica por que motivo algumas aves têm pernas incrivelmente delgadas - toda a força de que a perna necessita está concentrada junto ao corpo. As aves de poleiro desenvolveram um mecanismo especial que as impede de cair dos poleiros: quando uma destas aves pousa num ramo, o seu peso faz com que os tendões das pernas se contraiam e os dedos se apertem com firmeza. A ave tem de fazer um esforço não para se manter no poleiro mas sim para sair dele. Para levantar voo a ave contrai os músculos dos dedos, solta-os do poleiro e só então pode voar.
Muitas aves de climas frios não perdem calor através das pernas. Uma rede de vasos sanguíneos funciona como agente de troca de calor, captando o do sangue, destinado a circular pelas pernas. Assim, as pernas das gaivotas estão poucos graus acima da temperatura do seu gélido habitat.


 
 




Criador de Aves em Portugal - Guia de Iniciação


 












 








 

Fique actualizado com as novidades do avespt.com!

 


 

O que acha deste site?
Escreva a sua opinião ou deixe-nos uma sugestão para o podermos melhorar!

 


 

Se acha que este site pode ter interesse para um conhecido seu, nós enviamos-lhe uma recomendação por e-mail!



 











































  
Desde 2001 © AvesPT.com | melhor visualização: 1024 x 768 pixeis | webdesign e autoria: joseveiga