imagens anúncios criadores
sites
 
CLASSIFICADOS
   Ver Anúncios
   Ver Anúncios-Pro
FORMULÁRIOS
   Inserir Anúncio
   Inserir Anúncio-Pro
   Inscrição de Criador
   Recomendar Site
   Contacto
GUIAS
   Exposições / Eventos
   Resultados / Fotos
   Clubes / Associações
   Criadores
   Tabela de Anilhas
   Feiras Locais
   Guia de Sites
   Parques Ornitológicos
   Endereços Úteis / SOS
   Espécies de Portugal
   Classific. das Aves
   Birdwatching
ARTIGOS
   Notícias
   Standards
   Artigos de Criadores
   Espécies
   Sexagem DNA
AS AVES
   Prólogo
   Introdução
   Anatomia: esqueleto
   Anatomia: bicos
   Anatomia: pegadas
   Anatomia: penas
   Criação
   Macho ou Fêmea?
   Alimentação
   Cuidados
   Doenças
   Os Ninhos
   Observação
   Aves de Capoeira
   Tropicais
   Fósseis
   Extintas
COLUMBÓFILIA
   Introdução
   Evolução
   Aves de Guerra
   Nas Escolas
   Eventos em destaque
DEFINIÇÕES
   Dicionário: Orni
   Ornitologia
   Avicultura
   Columbofilia
   Estrutiocultura
LEGISLAÇÃO
   CITES
   Direitos dos Animais
   Convenção Europeia
   Decreto-Lei 140/99
   Decreto-Lei 49/2005
   Portaria 7/2010
MULTIMÉDIA
   Revistas
   Telemóveis
   Animações 3D
   Sons
   Vídeos
   Downloads
DIVERSOS
   É Viciado em Aves?
   Filatelia
   Extremos
   Curiosidades
   Provérbios
   Humor
INFANTIL
   Jogo do Galo
   Puzzle
   Bico de Papel
PRODUTOS
   Livros
   DVD's
   Software / Outros
AVESPT.COM
   Links
   Sobre...
   Publicidade
   Cartaz
   Nosso Link / Banner
   Como utilizar
   Bibliografia
 
 
Facebook

 
SPEA

















 
CARTAZ AVESPT.COM







 
  conteúdos/as_aves/prólogo  

PRÓLOGO


Ao cabo de milhares de anos a sonhar com isso, o homem conseguiu despegar os pés do solo e levantar voo nas asas do vento. Mas o homem, para voar, necessita do auxílio de complicadas máquinas que diminuem, até quase a anular, a beleza de um verdadeiro voo, pessoal e independente.

Os únicos mamíferos voadores são os quirópteros, maus navegantes, incapazes de efectuar voos muito extensos.
Os esquilos voadores e outros, inclusive répteis, não fazem outra coisa senão usar as membranas que dilatam as extremidades dos seus membros ou outras folgas de pele para descer, planando, a maior ou menor distância. Todos são, simplesmente, intrusos nos domínios do vento. Nem uns nem outros podem competir com o voo firme, seguro, fácil, das aves, nem em velocidade, resistência, segurança, liberdade de movimentos, nem em sentido de orientação.

As aves resolveram com assombrosa e invejável perfeição todos os problemas relacionados com o voo: grande potência muscular e área de asas suficiente, pro longada resistência ao cansaço, redução de peso, vista adequada e um agudo instinto da orientação. Pertence-Ihes o domínio do ar.

A nenhum outro animal, vertebrado ou não, é dado, como à maioria das aves, gozar da liberdade, do movimento, dos amplos espaços, de todas as vantagens, em suma, que a natureza pode oferecer.

É certo que nem todas as aves são grandes voadoras. Algumas, como o avestruz-corredor ou a torda-mergulheira, nem sequer podem despegar do solo; e outras, como o corre-caminho, limitam-se a correr e saltar, ou, como as galinhas, a dar curtos e desajeitados voos. Mas desde o adejar veloz das nectariniídeas, semelhantes a besouros e como eles capazes de se manter imóveis para libar as flores, passando pelo voo ágil, alegre e animado dos pássaros, o planado e picado dos milhafres e outras aves de rapina, o pesado adejar de abutres e marabus, ou o ruidoso e firme de pombas e gangas, o voo vigoroso de anátides e pernaltas, terminando na majestosa navegação à vela de albatrozes e fragatas, as aves desenvolveram todas as formas e técnicas de voo.

Entre as aves figuram os seres mais belos do reino animal. Pode duvidar-se disso contemplando a harmonia de um cisne, o aparato de um pavão-real, o colorido de uma ave-do-paraíso, de um verdelhão ou de uma gura? São também os mais velozes e resistentes. Quando um gavião-real desce em voo picado sobre a sua presa, fá-Io a mais de 300 quilómetros por hora. Algumas pombas percorrem 1500 quilómetros por dia, ou mais de 90 quilómetros por hora, e os gaivões voam a mais de 130. As aves são também os mais ferozes caçadores e os mais agressivos, como a águia-real, caçadora de lobos, e a águia-marcial, caçadora de macacos, que abatem inimigos várias vezes mais pesados que elas próprias. Também há, contudo, aves que são os seres mais tímidos e de carácter mais doce: as rolas, por exemplo.

Entre as aves figuram, igualmente, as espécies canoras de mais belas notas musicais e harmonioso canto, tais como os rouxinóis, os tordos e os canários. Outras de diversas ordens (papagaios, corvos, etc.) são capazes de aprender e imitar as vozes de outros animais, e até as vozes humanas.

Em momento nenhum se deve esquecer o interesse económico das aves, tanto pelos prejuízos que podem causar, como pelos benefícios que prestam à agricultura, destruindo multidões de insectos e de outros animaizinhos prejudiciais.

O estudo da imensa variedade das aves, dos seus curiosos costumes e faculdades, das suas normas de comportamento, revela-se, na verdade, absorvente.
Abarcar tudo isto nos estritos limites de um livro, embora grande, é tarefa totalmente impossível. Mas, pelo exposto, e por tudo quanto se irá conhecendo, as aves são tão extraordinariamente interessantes, tão dignas de atenção e estudo, que não podemos rejeitar a oportunidade de ensinar a conhecê-las e apreciá-Ias melhor.

 
 




Criador de Aves em Portugal - Guia de Iniciação


 












 








 

Fique actualizado com as novidades do avespt.com!

 


 

O que acha deste site?
Escreva a sua opinião ou deixe-nos uma sugestão para o podermos melhorar!

 


 

Se acha que este site pode ter interesse para um conhecido seu, nós enviamos-lhe uma recomendação por e-mail!



 











































  
Desde 2001 © AvesPT.com | melhor visualização: 1024 x 768 pixeis | webdesign e autoria: joseveiga